Total de visualizações de página

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Aroldo Filho é Historiador, Literato, Letrista, Professor, Blogueiro e Jornalista Independente.

1º Lugar em Auto de Natal no Estado do Ceará, atuando na ocasião como o Rei-Mago Baltasar em 2004.

Criador, Idealizador e Presidente do Jornal Delfos-CE (desde 2007).

Criador e Idealizador da Associação Cultural SEMPRE-Segmento dos Estudiosos da Memória e Patrimônio Regional da Serra de Baturité (2008). 

Criador e Idealizador do 1° Arquivo Público do Interior do Nordeste (2009).

2° e 4° lugares,consecutivamente, no 1° e 2° concursos de poesia da comunidade do Orkut "Vamos Escrever um livro?"(2009 e 2010).

Criador da exposição histórica: "PACOTI: UMA HISTÓRIA EM DOCUMENTOS", aprovado pelo Banco do Nordeste (2010). 

Formou-se em Licenciatura Plena em História (2010).

Sócio do Instituto Desenvolver (2011).

Trabalhou para o Governo do Estado do Ceará como pesquisador no Porto do Pecém (2011). 

Ministrou aulas de História, Geografia, Arte e Religião em Pacoti e em Guaramiranga, no Colégio São Luís, na Escola Menezes Pimentel e na Escola Linha da Serra (entre 2008 a 2015).

2° Lugar em concurso de pensamento na comunidade "Grupo de Poesia" no Facebook (2012).

Participa como um dos autores dos e-books "Por onde andei?" e "Quem sou?" realizados pelo Balcão de Poemas, edição de Wasil Sacharuck.

Publica entrevistas, notícias, contos, crônicas, poesias, fábulas, romances, artigos, peça teatral e letra de música em 32 blogs desde 2005.

Recebeu a Comenda Domitila por Mérito Literário, da SECULDT-Secretaria de Cultura, Turismo e Desporto de Pacoti (2016).

Passou na seleção para o livro "Prêmio Literário Nacional Concurso Novos Poetas", da Editora "Vivara", 250 poetas escolhidos dentre 2.370 inscritos no país. (2016).

Concluiu Pós-Graduação em Gestão Escolar (2016)

Passou novamente na seleção para o livro "Prêmio Literário Nacional Concurso Novos Poetas", da Editora "Vivara", 250 poetas escolhidos dentre 3.207 inscritos no país. (2017).


domingo, 28 de setembro de 2008

ODE AO ENCANTO



ODE AO ENCANTO

Encanto, em teu nome amigos se traem
A serenidade se desfaz de toda a sobriedade
Amores se contraem
O ódio aflora o eixo das virtudes
Estas por si mesmas não valem
Nem mesmo o tempo a elas desperdiçado
Em elogios supérfluos
São mentiras que movem a todos
Beleza, força, perfume e sapiência nada são
Sem o agente perceptor, receptáculo de olhar turvo
Caçador de latitudes
Transeunte da suposta matéria imortal
Poera-cósmica
Não sabe porque vive, mas se encanta
E acalanta sonhos infelizes
Quando se abrem as cicatrizes químicas
Na torrente das incertezas astronômicas
A natureza nunca foi harmônica
Embora, repleta de gás hélio
Que tudo forma em teoremas
De tabelas periódicas
Ou em gráficos de Gals
O mundo é um caos e não as nuvens de Magritte

AROLDO FILHO
Pacoti/Ceará, 26/09/2008